Gateiros

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

6

Bixanos-do-deserto

No início deste mês, no Parken Zoo, localizado na Suécia nasceram dois lindos filhotes de gato-do-deserto. Observando os curiosos gatinhos explorando seu recinto pode nos fazer pensar que se tratam de gatos domésticos, porém estes são gatos selvagens, conhecidos como gatos-do-deserto.

O gato-do-deserto (Felis margarita) é o menor membro do género Felis, juntamente com o gato-de-patas-negras (Felis nigripes). Apenas alcança os 50 cm de comprimento (cabeça e corpo), mais 30 cm da cauda. Os maiores machos chegam aos 3.5 kg de peso.


Descrição

Trata-se de um felino bem adaptado à vida em desertos arenosos como os do Sahara, Arábia, Irão, Afeganistão, Turcomenistão e Paquistão. Nas zonas menos áridas destas regiões, convive com o gato-bravo (F. silvestris), aparentemente sem problemas. Não obstante, tem-se documentado o seu desaparecimento em alguns lugares devido o incremento de gatos domésticos assilvestrados.

A cabeça é larga, algo que o torna inconfundível em relação a outras espécies similares, e as orelhas também possuem dimensões apreciáveis. Isto melhora a sua audição e a perda de excesso de calor através delas (uma técnica comúm entre os pequenos mamíferos desérticos como a lebre-da-califórnia ou as raposas-do-deserto. A pelagem é de cor de areia, com poucas riscas mais escuras, que se encontram mais desenvolvidas na subespécie africana, F. m. margarita, e só são facilmente visíveis na parte alta das patas dianteiras. A ponta da cauda também possui coloração escura. Ao contrario de outros felinos, a planta dos pés está coberta totalmente de pelo a fim de as proteger em relação ao contacto com as ardentes areias do deserto.

Este animal apresenta hábitos preferencialmente crepusculares ou nocturnos, passando as horas mais quentes do dia protegendo-se entre as rochas. Alimenta-se de roedores (gerbils, ratos), lebres, aves, serpentes (incluindo víboras venenosas), lagartos, aranhas e insectos. Por sua vez, sofrem predação de chacais e aves Strigiformes. Os humanos caçam-nos com o fim de comercializar as suas peles; também se vendem animais capturados como mascotes de forma ilegal. Não obstante, na actualidade, só a subespécie paquistanesa (F. m. scheffeli) está sujeita a algum tipo de ameaça, segundo a convenção CITES.

Reprodução

Os gatos-do-deserto são fundamentalmente solitários, mas não territoriais. É comum que vários indivíduos frequentem os mesmos refúgios, ainda que nunca os compartilhem ao mesmo tempo. Durante a época de reprodução, que varia de uma região para outra, os machos atraem as fêmeas com uma espécie de latidos para incitá-las para a cópula.

Entre 59 e 63 dias depois do acasalamento, as fêmeas parem uma ninhada de uma a oito crias, normalmente quatro ou cinco. Apresentam un crescimento rápido e aos 6-8 meses de idade já são independentes, ainda que só atinjam a maturidade sexual por volta do primeiro ano de idade. Ignora-se a sua esperança de vida em libertade, ainda que em cativeiro possam chegar aos treze anos.


da vontade de da uma mordida nessa buchechona num dá???


Encontrei no Viver de Eco

6 comentários:

Veronica Gregório disse...

Que fofinho!!!
Adoro todos os felinos!
Esse parece um gatinho rsrsrs
Bjs!

Gata Lili disse...

Carol, ele tem o rosto bem larguinho né? Acho que dá para criar em casa sim. E como está o yeye? Ei quero saber como foi a historia la do centro com a formiga. me conta...

GRAÇA disse...

Bom fim de semana e muita brincadeira
Ronronzinhos da
Kika

Rutha/Pink/Barum/Luna disse...

Que fofice ! Adorei a cabeça larga deles ! Realmente os felinos são criaturas lindíssimas e charmosas, não existe nenhum que seja feio...
Beijos
Laís

Nikita disse...

Ah! Quero um gato do deserto pra mim, achei lindo.

Beijos! Néia e Nikita:)

luis renato disse...

*o*
Amei a cor deles,
pena que são selvagens
mas parecem brincalhoes.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...